Movimento de Inovação na Educação lança plataforma para fortalecer iniciativas inovadoras na educação

Por Thais Iervolino

Apoiar as organizações voltadas à educação básica brasileira que inovam em seus projetos pedagógicos. Esse é o principal objetivo do Movimento de Inovação na Educação, que lançou sua plataforma na quinta-feira, 23/08, durante a 3ª edição do Fórum Inovação Educativa, realizado em São Paulo (SP).

Da esquerda para a direita: Helena Singer, Mila Gonçalves e Natacha Costa durante lançamento da plataforma Movimento de Inovação na Educação.

“Sentimos muita necessidade de colocar as nossas escolas em rede com outras escolas, e ver de que forma que ampliamos as nossas próprias conexões. Chegamos a um momento em que as escolas e os professores precisam conversar. As soluções vão surgir dessas conversas de quem está lidando e vivendo aquela problemática. Precisamos ter esses espaços de criação, de colaboração, de articulação para que o professor possa conversar com outro professor, possa aprender, conhecer novas práticas, ampliar repertório”, explicou Mila Gonçalves, da Fundação Telefônica Vivo, que participou do lançamento da plataforma.

O evento contou também com a presença de Helena Singer, da Ashoka América Latina, e Natacha Costa, da Associação Cidade Escola Aprendiz. Assista ao vídeo de lançamento da plataforma Movimento de Inovação na Educação.

O Movimento Inovação na Educação reúne em sua plataforma mais de 100 iniciativas de escolas e organizações educativas de todas as partes do país que desenvolvem ações inovadoras em cinco dimensões: gestão, currículo, ambiente, metodologia e intersetorialidade. “A ideia é organizar um espaço onde as experiências mapeadas e acompanhadas possam aparecer com visibilidade e com qualidade de conteúdo”, disse Natacha Costa.

Além do mapeamento, o ambiente virtual reúne notícias, publicações, eventos e outros conteúdo sobre a inovação. “Essa plataforma vai promover discussões a partir de webinários e fóruns, divulgar a agenda de inovação no Brasil, e disseminar informações. Ela é a rede das redes, ou seja, um espaço para que os educadores e formadores de opinião, além de pessoas interessadas nesse campo da inovação da educação a partir da realidade das escolas, dos territórios e das instituições, possam encontrar uma informação de qualidade, bons contatos e boas oportunidades de diálogo e de cooperação. Dessa forma, podemos seguir avançando no entendimento de que a transformação da educação é obra coletiva, e que vai ganhar consistência a partir de cada história, de cada contexto social, em cada canto desse país”, explica Natacha.

História do Movimento de Inovação na Educação

Crianças durante atividade de uma das iniciativas integrantes do Movimento. Foto: divulgação.

“Nos encontramos pela primeira vez em 2015 quando o MEC, na época sob gestão do Renato Janine Ribeiro, lançou uma iniciativa para que o ministério comunicasse ao país de que inovar também é importante para a educação”, contou Helena Singer.

Nesse contexto, o MEC reuniu 104 especialistas em inovação para a criação de critérios que analisassem as experiências. Como resultado, foram destacadas 178 iniciativas em todo o país.

A partir de 2016, esses especialistas voltaram a se reunir para ampliar e fortalecer a rede de inovação. “Uma das coisas que a gente concluiu é que o mapeamento precisava continuar [para além do âmbito do MEC] porque a inovação na educação não se resume somente às 178 iniciativas. Obviamente elas inspiravam outras iniciativas e outros mapeamentos seriam necessários”, disse.

Assim, em 2017, nasce o Movimento de Inovação na Educação, uma realização da Associação Cidade Escola Aprendiz, Ashoka e Fundação Telefônica Vivo. Sua plataforma representa o primeiro passo de um caminho que busca fortalecer conexões e redes de educadores, professores, especialistas, organizações educativas e escolas que inovam em suas práticas e metodologias.