Educação escolar indígena: inovação, participação docente e avaliação

Em quais aspectos a educação escolar indígena superou o caráter colonialista da escolarização?

Buscar respostas para esta pergunta é o objetivo do estudo Educação escolar indígena: inovação, participação docente e avaliação. A pesquisadora responsável é Elie George Guimaraes Ghanem Junior.

Os casos avaliados são de  experiências pioneiras de educação escolar indígena da região do alto rio Negro, no Amazonas.

Neste sentido, o estudo Educação escolar indígena: inovação, participação docente e avaliação adota como pressuposto que tal superação ocorreu, embora apresente significativas limitações.

As hipóteses com as quais a pesquisa trabalhará são:

a) os objetivos das escolas são conhecidos pelas comunidades e estabelecidos a partir de diálogos com estas. Dessa forma, há convergência entre os saberes estudados e as aspirações de futuro das comunidades;

b) as ofertas de educação superior disponíveis aos indígenas são pouco variadas. Em sua maioria, elas não contam com a sua participação na formulação e avaliação;

c) as formas oficiais de avaliação escolar impõem obstáculos aos aspectos inovadores (específicos e diferenciados) das escolas indígenas e desconsideram processos avaliativos próprios das comunidades.

O exame das hipóteses é feito pela análise dos processos escolares (incluindo a formação de professores indígenas) verificando que tipo de relação existe entre os saberes estudados e as aspirações de futuro comunitárias. As ofertas de educação superior são descritas quanto ao nível de participação de indígenas em sua formulação e avaliação.

Por fim, por meio da identificação de recomendações originadas entre várias categorias sociais participantes da pesquisa, são reunidos subsídios para a proposição de indicadores de avaliação educacional adequados à educação escolar indígena diferenciada.

(Documento em inglês)

DONWLOAD Fazer download do material